Siga-nos por e-mail

domingo, 8 de julho de 2012

Calliandra spinosa - aramação ("wiring")

Essa Calliandra spinosa veio de yamadori no Nordeste do Brasil. As fotos abaixo mostram que já estava estabilizada, com brotação e flores (estames brancos, que ficam cor de rosa quando vão secando, e pétalas rosadas). Até agora a única espécie de Calliandra com flores perfumadas que conheço.

Abaixo, fotos do dia da chegada (28/jun/12), com longos brotos em várias direções.

Frente (presumida, talvez seja invertida, vamos com calma)

Abaixo: lado E. Veja-se a inclinação do ápice para a frente, em excesso.

Abaixo. o que por ora é a parte de trás da árvore, onde o nebari parece um pouco melhor. A posição dos galhos (e algum trabalho no shari) teria de ser muito mudada para que esse ângulo passasse a ser a frente.

Abaixo: atual lado D


Em 8 de julho de 2012, dez dias depois de colocada no novo lar e dois dias depois de ter sido pulverizada com calda sulfocálcica (20mL/1L) a planta continua brotando, sinal de que está tudo bem. Hora de começar a resolver a posição da árvore e dos galhos.

Abaixo: Possível frente, com o vaso inclinado para trás, para compensar um pouco o ápice que estava muito caído para a frente, os brotos novos aramados e alguns galhos ancorados. O ápice continua muito confuso, mas não vou tirar folhagem por hora (poderia atrasar o desenvolvimento da árvore).

Abaixo: ligeiramente à D, outra opção de frente. Veja-se a aramação dos brotos longos novos: como o tronco é sinuoso, os galhos também devem ser. Nem todos os brotos novos foram aramados. Detalhes: a aramação dos brotos novos é bem frouxa (eles irão engrossar rápido e poderiam ser estrangulados) e as pontas são viradas para cima (para estimular continuidade no crescimento). Há mais detalhes que mostro adiante. Nessa fase, a aramação dos brotos vai até onde se espera que a copa futuramente seja formada (o que fica de fora da aramação provavelmente será cortado quando os galhos estiverem mais evoluídos).

Abaixo: close da ancoragem que "puxa" o galho para baixo (mais fino), atada ao arame que dá movimento ao galho (mais grosso e escuro). Mesmo sendo de casca corticosa (com menor risco de machucar o galho), sempre que possível evito ancorar (os arames que tracionam os galhos para baixo e levemente para o lado, amarrados à borda da cuia) diretamente nos próprios galhos: prefiro passar pelo arame que foi usado para dar movimento. Isso funciona se a ancoragem for leve (não ser preciso grande tensão para no arame para posicionar o galho).

Abaixo: outro ângulo, para ir criando familiaridade com a planta e pensando alternativas e detalhes. Nesse ângulo, o ápice atual fica mais alto que o shari (e que o ten-jin).

Abaixo: atual "costas" da árvore

Abaixo: atual lado D.

Abaixo, detalhe da aramação de ramo novo longo. Para posicionar corretamente os brotos, o ramo é curvado (com o arame) de forma que os brotos fiquem de "fora das curvas" - ao crescer, os brotos ficam para fora da curvatura do galho. Isso é um perigo, pois a tensão sobre a parte curva do galho não tem apoio do arame, ele pode se quebrar (a parte da curva que fica "para fora" é onde a tensão para entortar o galho é máxima). Ao dar movimento aos galhos com o arame, além de corrigir posição e obter coerência com padrão do tronco - também movimentado, um moyogi - consegue-se ainda melhorar o adensamento da folhagem - e da copa -, pois os longos espaços entre os brotos ("entre-nós") são aproximados.

Abaixo: de volta à bancada. Veja como o vaso foi mantido inclinado com ajuda de pedras. Além de ajudar a "ver a planta" (o exercício que ainda tem muito de imaginação, a "visão de como será" serve para ir orientando o que fazer), também faz com que os brotos e folhas se desenvolvam tendo a nova posição como natural. Isso por que os brotos crescem orientados pela gravidade (geotropismo) e pela luz (fototropismo). Se são deixados crescer em posição diferente daquela que se deseja para o bonsai, poderá ser perdida oportunidade de formar a folhagem e patamares, acrescentando retrabalhos ou no mínimo necessidade da planta se re-adaptar a outra posição. É claro que a planta toda tem ar inacabado, e que a própria aramação tem muito a melhorar. Parece trabalho de amador. E é.

4 comentários:

  1. Olá, tenho uma caliandra rosa e estou preocupado, pois as folhas antigas(verde escuro) estão amarelando e caindo, embora a brotação de novas folhas estejam acontecendo normalmente, preciso me preocupar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Leo. Obrigado pelo contato. A queda de folhas em caliandras não é normal: elas detestam ser desfolhadas. Uma causa comum de folhas amarelas é excesso de água (o que fico receoso de dizer, pois não estou vendo a planta, e posso te induzir a reduzir água qdo não tenho certeza se é isso). Outra causa é falta de sol (essas são as duas causas mais comuns de problemas nas folhas). Se quiser me contar mais, posso tentar entender e ajudar. Abraço.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tenho uma Calliandra Brevipes, e as folhas dela estão caindo ainda verdes, ela fica quase o dia todo no sol, e é sempre regada, isso é típico na primavera?

    ResponderExcluir