Siga-nos por e-mail

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Pitanga mame - evolução

Volto à Pitanga (ou "cereja") do Rio Grande Mame (já postada antes). Quase um ano em vaso de descanso, adubação abundante, apenas pinçagem ocasional para estimular ramificação. Calor, chuviscos frequentes. Hora de transplante, aproveitar para ir desenvolvendo a estilização e também de passar para vaso mais condizente com o tamanho da planta (o padrão japonês é: o vaso deve ter dois terços da altura total da planta - ou, se uma planta muito baixa e forte, da largura da copa -; e a altura do vaso deve ser no máximo igual à largura do tronco).

Abaixo: antes de começar a pinçagem. Começar pela massa verde facilita o trabalho e evita desidratação da planta, que perde água pelas folhas, na hora de trabalhar as raízes e escolher novo vaso.


Abaixo: vários vasos como opção, cada um com vantagens e desvantagens. Alguns deles já foram usados com esta planta antes (vide a postagem referida). O mais próximo da planta, à esquerda na foto, em formato de papaya (apenas menor que o atual) é um ótimo candidato, mas exigiria redução das raízes em proporção maior que estou disposto a tentar por hora.



Abaixo: na foto parece difícil, mas ao vivo não é difícil imaginar o efeito de cada vaso.


Abaixo: umas das razões de deixar em vaso de cultivo (grande, fora das regras para exibição) é desenvolver o nebari. Dá para ver que está funcinando, embora a maioria das raízes ainda seja bem fina. Boa surpresa: ao remover um pouco do substrato, deu para ver que debaixo do toquinho â esquerda já tem raíz bem desenvolvida. Vamos ver de perfil para ficar mais claro.l



Abaixo, vista lateral (direita da planta, esquerda da foto acima): o toquinho mostrando raiz muito melhor logo abaixo.

 
 
Abaixo: adeus toquinho.
 
 


Abaixo: poda leve dos ramos, retirada do vaso para "pentear" as raízes e ter idéia do tamanho do vaso e quantidade de raízes que teria de ser retirada para acomodar. Quero tirar o mínimo possível.

Abaixo: as raízes sendo desembaraçadas. Essencial.
 
 
Abaixo: depois de podadas as pontas das raízes, acabei optando por este vaso redondo, japonês. Depois de acomodada, uma camada de substrato de granulação mais fina (2mm) "sela" o vaso para secar menos. Nada de adubo por hora.
 
 
 
Abaixo: plantada. Pode parecer estranho ter coberto um pouco do nebari, quando já deu para ver que ele melhorou. É que muitas raízes estão finas, delicadas, e deixá-las expostas poderia matá-las. Mas já dá para ver que pelo menos no lado esquerdo da foto a raiz que estava sob o toquinho removido começou a aparecer. Vou deixar cobertas mais um pouco. Se tivesse musgo seria legal para dar acabamento.

Abaixo: o novo nebari em destaque. Fica evidente que deveria ter aproveitado e limpado com escova as manchas escuras do tronco, mas estava muito cansado para isso. Talvez no próximo fim de semana.

Abaixo: conferindo as medidas. E coloquei pasta cicatrizante no corte do toquinho.

Abaixo um esquema para explicar como estou medindo: 1 é o nebari; 2 o tronco; 3 a altura da árvore. No caso, as medidas foram: nebari 9 cm; tronco 6 cm; altura 12 cm. Relação altura/nebari=1,33. Muito bom.

Abaixo: vasos tão pequenos secam muito rapidamente. Acomodada no sobre o substrato do vaso do Kaede fica mais protegida.
 
Abaixo: à noite, dentro de casa, para ser observada em detalhe. Vai precisar de aramação, poda mais caprichada, etc... Mas agora é só curtir um pouco.
 


 
 

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Bacana parabéns pelo trabalho, estou querendo fazer um trabalho com um mame, estou atrás de informações e técnicas mais apuradas seu blog ajudou bastante.

    ResponderExcluir