Siga-nos por e-mail

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Micro orquídeas em bonsai

Uma grande árvore de floresta tropical, com epífitas floridas.



bem, nem tão grande... Ao fundo, vasos de orquídeas contribuiram com raízes pendentes. Abaixo, o dedo serve de referência da escala do tamanho das flores. Essa flor tem cerca de 3mm.



Acima com visão do vaso. Se fosse colorido talvez ficasse ainda melhor. Dimensões: altura 25cm; largura total da área das raízes expostas ("nebari"): 13cm. Relação altura/nebari = 1,92.

Abaixo, uma visão contra fundo mais limpo permite distinguir duas espécies de micro-orquídeas com flores. Fotos adiante mostram detalhes. A amarela abundante suponho seja Acianthera sonderiana.



Detalhe do tronco: sem limpeza, a casca cria nichos melhores. Acima à E últimas flores de outra espécie - talvez Octomeria sp, que na foto abaixo está no centro. A próxima foto abaixo permite ainda ver a outra micro, ao fundo e à D, levemente desfocada, acima da moita florida.



Para chegar a isso, longo caminho:

A primeira etapa foi conhecer as micro orquídeas e tentar cultivá-las (veja-se a postagem "kusamono", que mostra alguns vasos). Aqui se usa a expressão "micros" para orquídeas que têm não só as flores com menos de 2 cm, mas também as folhas são pequenas e em escala ao menos aproximada à dos bonsai. As micro selecionadas têm flores com no máximo 1cm.

A seguir (abaixo) algumas espécies cujo cultivo foi tentado.

Phymatidium sp


 Isabelia sp

ainda não identificada


A segunda etapa foi tentar o cultivo das que se deram melhor (pouquissimas - cerca de 8 espécies - duraram mais de um ano fora da estufa) no tronco de bonsai. Duas espécies de bonsai mostraram bons resultados: Buxos e serissas. Abaixo, a mesma serissa quando era um pré-bonsai (a frente depois foi invertida - abaixo aparece de costas e com os ramos que iriam formar a copa aramados para a D do observador).


No pré-bonsai acima os galhos grandes, depois de poda drástica para formar nova copa, não foram transformados em jin, nem a casca foi retirada: a madeira apodrecendo ajudou a criar ambiente favorável ao enraizamento, que é inibido pela calda sulfocálcica, usada para preservar madeiras expostas.

Abaixo a mesma planta, uns 3-4 anos depois, em ângulo aproximado ao da foto acima, quando era pré-bonsai. A muda de orquídea que aparece na fota acima, à D, não sobreviveu.


Foto acima: bom enraizamento na madeira morta sem limpeza e sem tratamento. O equívoco de plantar as micros em madeira tratada me custou muitas mudinhas de orquídeas no passado.


Abaixo: fase intermediária, outubro/2010, cinco anos de cultivo das micros. O bonsai tinha galho à direita, que se quebrou quando tentei aramar de forma desajeitada, evitando machucar as micros. Aramação se torna um problema, tentativas de ancoragem nem sempre dão o efeito desejado. A perda deste galho me obrigou a inclinar a planta para o lado D (do observador) para compensar um pouco o vazio. A copa foi feita de forma a propiciar sombra quase completa às micros. Uma das vantagens das Serissas é tolerar um pouco de sombra, o que ajuda no cultivo conjunto com as orquídeas.





Abaixo: exemplos de orquídeas bem estabelecidas em plantas, na fase de estudo de adaptação das micros às Serissas. Esse grande bonsaí acabou virando fonte de mudas.

Mesma planta do detalhe acima: duas espécies de Pleurothallis, uma Acianthera sonderiana (e uma suposta Octomeria) sendo cultivadas em tronco de pré-bonsai de Serissa.

 A terceira etapa foi o cultivo conjunto: como manter as micro nos bonsai, os quais precisam de cuidados para estilização e cultivo, nem sempre amigáveis às hóspedes.

Abaixo: este bonsai de Serissa trabalhado como "raiz exposta" foi o que deu melhores resultados estéticos e de cultivo. A boa adaptação das micros (três espécies, sendo que a à E do observador já está apenas com as hastes de floração passada) é evidenciada pela floração abundante. Nestas fotos o bonsai estava precisando de aclareio...



Acima: mesmo vaso das fotos de início, antes de poda de aclareio e colocação de musgo. A copa vem sendo deixada mais cheia para prover sombra para as orquídeas.

A descrever em novas postagens:

A fase inicial: prendendo ao tronco
Adubos - peters e foliares
Calda sulfocálcica
exposição ao sol
regas
limpeza dos troncos e podas dos bonsai
aramação de galhos
transplantes
o comportamento das epífitas na relação com a casca e o tronco
mais de uma espécie, "seleção natural".
espécies mais exigentes (Capanemia - próxima etapa - perdi muitas sem tentar colocar em bonsai, será que vale a pena tentar?...)

Pen-jing: quando as orquídeas compõem paisagem, não necessariamente como epífitas.



Acima: Maxillaria (possivelmente M. cogniauxiana) em pedra e uro de Ulmus. Na fase inicial, foi usado pequena quantidade de sfagmo para prender as orquídeas às cavidades entre o tronco e a pedra. Note-se o musgo, sugerindo humidade. Indo bem.
Esse Ulmus poderá ser visto na postagem "Ulmus na pedra".
O ambiente de cultivo - árvores de meia sombra, bosques, etc.
uso de "sombrite".


?/?/?/?/?/?/?/

5 comentários:

  1. Apaixonante, bonsais maravilhosos e as micros nem se fala, tenho várias
    abraços

    ResponderExcluir
  2. olá, Bete. Conheço seu blog, aliás, suas fotos são excepcionais, e também as identificações das espécies das micros parecem muito técnicas. Vc usa algum livro ou outra fonte de consulta para identificação das micros?

    ResponderExcluir
  3. Lindo..apaixonante. Excelente trabalho de paciência, dedicação e surpresas infinitas. As pequeninas árvores tomaram rumos diferentes. Fiquei muito admirada. Parabéns de coração.

    ResponderExcluir
  4. Caro Colega, uma dica: tente usar tiras de meias de mulher (lycra) para 'amarar' as mudas de orquídea, são menos agressivas, mantem uma boa ventilação para as raízes e com um pouco de sfagno dão boa umidade. Não prendem a circulação de seiva na casca da árvore, e se vc esquecer de tirá-la ela apodrece em alguns meses e pode até cair.

    ResponderExcluir